Moody’s avalia que reforma da Previdência não deverá ser aprovada antes do 3º trimestre

5

Agência de classificação de risco estima economia gerada pela reforma entre R$ 600 bilhões e R$ 800 bilhões. A agência de classificação de risco Moody’s avalia que a reforma Previdência não deve ser aprovada antes do terceiro trimestre deste ano, com a possibilidade de ser adiada ainda mais, de acordo com relatório divulgado nesta quarta-feira (13).
Governo deve fazer ‘campanha de convencimento’ sobre a reforma da Previdência, diz Mourão
Previdência: proposta prevê idade mínima de 62 para homens e 57 para mulheres em 2022
“Dada a amplitude das reformas propostas, esperamos que o processo de aprovação será adiado e é improvável que seja finalizado antes do terceiro trimestre deste ano, e pode ser adiado ainda mais se componentes adicionais, como uma reforma trabalhista, estiverem ligados à proposta de reforma da seguridade social”, afirmou a Moody’s.
O relatório assinado pelos analistas Samar Maziad, Patrick Cooper e Mauro Leos considera que a minuta vazada à imprensa na semana passada é “ambiciosa” e um ponto de partida para as negociações no Congresso.
“A qualidade e amplitude da reforma que será por fim aprovada dependerão da capacidade do governo de conseguir consenso político no Congresso”, completou o relatório.
Enquanto o governo busca economia de pelo menos R$ 1 trilhão em 10 anos com a reforma previdenciária, a Moody’s estima algo entre R$ 600 e R$ 800 bilhões.
A minuta da reforma estabelecia, por exemplo, idade mínima de 65 anos para aposentadoria tanto de homens quanto de mulheres. Entretanto, na terça-feira o secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou que o texto da proposta foi fechado e apresentado ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e está “bastante diferente” da minuta.