Conselho da CNI escolherá substituto de presidente afastado na quinta-feira

8

Robson Braga de Andrade é investigado na operação Fantoche; escolhido ocupará o posto ‘enquanto durar o seu impedimento temporário’. O conselho de representantes da Confederação Nacional da Indústria (CNI) vai se reunir na quinta-feira (28) para escolher um substituto do presidente Robson Braga de Andrade, afastado de suas funções pela operação Fantoche na semana passada.
Robson Braga de Andrade na abertura da Olimpíada do Conhecimento
Thiago Rios Gomes
Andrade foi preso e liberado no mesmo dia, junto a outras cinco pessoas. Ele e os outros investigados precisam cumprir medidas cautelares, como afastamento das funções de dirigentes das entidades onde trabalham, durante 90 dias.
Segundo a CNI, o substituto de Andrade ocupará o posto de presidente interino “enquanto durar o seu impedimento temporário”.
O escolhido será um dos vice-presidentes executivos da entidade: Antônio Carlos da Silva, Glauco José Côrte, Paulo Afonso Ferreira e Paulo Antônio Skaf.
Entenda o caso
A investigação aponta que um grupo de empresas, sob o controle de uma mesma família, vem executando contratos desde 2002 por meio de convênios tanto com o ministério quanto com o Sesi. Eles receberam mais de R$ 400 milhões por esses serviços.
O delegado federal Renato Madsen, da PF, afirmou que os alvos da Operação Fantoche são investigados pela criação de empresas de fachada. Segundo ele, os empresários teriam criado empresas sem fins lucrativos para dificultar a investigação do Tribunal de Contas da União (TCU).
De acordo com a PF, a investigação começou em 2014, a partir de uma empresa que recebia grande parte dos recursos para eventos culturais. Os valores, segundo Madsen, estavam superfaturados. A polícia também identificou que o dinheiro não era destinado totalmente a produções culturais.
Um dos eventos que foram alvo da operação foi o festival Bonecos do Mundo, realizado pelo Sesi e idealizado por Lina Rosa Gomes. Esse foi o motivo para o nome da operação.