Moradores protestam em distrito de Muaná, no Marajó, após homem ser morto a facadas por traficantes

17

Alexandre Correa Soares tentou intervir na discussão entre suspeitos de tráfico de drogas, que o agrediram e desferiram cerca de 12 golpes de faca. Dois dos três envolvidos foram presos pela Polícia. Moradores protestam em Muaná, após assassinato de homem na cidade.
Reprodução
O assassinato de um homem, identificado como Alexandre Correa Soares, causou revolta aos moradores do distrito de São Miguel do Pracuuba, em Muaná, no Marajó, nesta terça-feira (26). Em protesto, eles queimaram pneus e caixas de papelão em um ato em frente à prefeitura da cidade.
Segundo a Polícia Civil, a vítima tentou intervir na discussão entre suspeitos de tráfico de drogas, que aplicaram um golpe conhecido como “mata-leão” e, seguida, desferiram cerca de 12 golpes de faca na vítima. Dois dos três envolvidos no caso foram presos horas depois pela Polícia.
Alexandre Soares é morto a facadas por suspeitos de tráfico de drogas em Muaná, no Marajó.
Reprodução / Polícia Civil
Segundo as investigações, o caso foi no domingo (24) por volta das 19h30 quando dois homens conhecidos por tráfico de drogas na cidade discutiam e Alexandre decidiu intervir. Depois disso, ele foi agredido a socos e pontapés, até ser esfaqueado. Um terceiro homem também participou das agressões.
Alexandre morava em Belém e passava férias em Muaná com familiares. Ele chegou a ser levado para o Hospital Municipal de São Sebastião da Boa Vista, mas não resistiu aos ferimentos e morreu, segundo a Polícia.
O homicídio foi comunicado à Polícia por volta das 22h. Ao chegarem no local do crime, os policiais encontraram as vestes da vítima que estavam ensanguentadas. Dois dos suspeitos foram presos durante a madrugada. Com eles, a Polícia encontrou drogas que foram apreendidas. Ambos devem responder por homicídio qualificado, tráfico de drogas e associação para o tráfico. O terceiro homem ainda não foi localizado.
Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do G1 Pará no (91) 98814-3326