Malu Rodrigues vai gravar álbum com hits cantados no ‘Popstar’, após viver Wanderléa no cinema

32

Atriz de musicais como ‘A Noviça Rebelde’ e ‘O Mágico de Oz’, ela também fala ao G1 sobre volta aos palcos em 2019 com musical dedicado ao músico americano Cole Porter. Malu Rodrigues comenta ‘Minha fama de mau’
Criada entre coxias e palcos de grandes musicais, Malu Rodrigues se prepara para lançar seu primeiro álbum. A atriz carioca de 25 anos ficou em terceiro lugar na última edição do programa “Popstar”, em novembro, com sucessos da MPB.
Ela reunirá algumas das músicas cantadas no programa e outras pelas quais é apaixonada em um CD em parceria por Roberto Menescal, um dos fundadores da Bossa Nova, e o produtor Ricardo Leão.
Volta aos palcos
Seu início no canto foi o mais corriqueiro de todos: sentada no banco de trás do carro, ouvindo as músicas de seu pai. “Cantar me ajudou a superar timidez”, conta.
Após estrelar sucessos como “A Noviça Rebelde” e “O Mágico de Oz”, ela volta aos palcos em 2019 em um musical dedicado ao compositor e músico americano Cole Porter. “O elenco será composto apenas por mulheres e ficaremos em cartaz no Rio e em São Paulo.”
Apesar da agenda cheia, ela diz que sente saudades da televisão. “Fico completa quando posso atuar e cantar. Autores, me chamem”, brinca. Sua última novela foi em 2017, quando interpretou Karina em “O outro lado do paraíso”.
Aprovação da Ternurinha
Gabriel Leone, Malu Rodrigues e Chay Suede no filme ‘Minha fama de mau’
Páprica Fotografia / Divulgação
“Minha fama de mau” é o quinto filme da carreira de Malu, que teve mais destaque a partir de “Confissões de adolescente” (2014). No longa, ela interpreta Wanderléa, um dos principais nomes da jovem guarda, ao lado de Erasmo e Roberto Carlos.
“É uma mulher muito forte, que revolucionou uma época, o jeito da mulher de se vestir, de se portar. Ela veio com esse feminismo quando a gente nem sabia o que era e mudou a figura da mulher na década de 1960.”
Após assistir ao filme, Wanderléa se disse emocionada pela interpretação de Malu. “É muito mais difícil retratar artistas vivos, a gente sempre busca aprovação. E ter essa resposta positiva dela, mesmo após ter tomado liberdade para criar minha própria versão da Wanderléa, foi maravilhoso.”