Candidata no PA com 301 votos desconhece repasse de R$ 390 mil do PSD

17

Site do TSE informa que a garçonete Norma Suely Lima, 60 anos, gastou R$ 411 mil nas Eleições de 2018, sendo mais de R$ 240 mil com publicidade, R$ 60 mil em consultorias jurídicas e contábeis, entre outros custos como aluguel de carros e combustível. PSD afirma que prestação de contas é responsabilidade individual. Candidata pelo Partido Social Democrático (PSD) nas últimas eleições, a garçonete Norma Suely Lima, de 60 anos, teve apenas 301 votos, mas recebeu do partido, segundo declarado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o montante de R$ 390 mil para uso exclusivo de campanha. O detalhe é que Norma desconhece o total repassado e o PSD, por outro lado, afirma que a responsabilidade pela prestação de contas é individualmente de cada candidato.
Ao ser questionada pela TV Liberal, Norma Lima indaga a reportagem sobre o valor total do repasse. “Mas será que foi só eu que gastei isso aí? Não teve outros candidatos também? Deve ter juntados outros candidatos também”, pontua. Segundo o PSD, em nota enviada ao G1, a responsabilidade jurídica pela despesa eleitoral e pela prestação de contas é do candidato.
Sobre o caso, o Ministério Público Federal (MPF) informou que, antes de abrir qualquer procedimento de investigação, avalia cada caso inicialmente para “verificação de indícios”. O órgão também disse que a verificação é para saber qual área do Ministério Público, se Federal, Estadual ou Eleitoral, e se a atuação é criminal e/ou cível. Em seguida, é feita a distribuição de qual membro do MPF fica responsável pelo caso, se confirmado indícios de irregularidades.
3 milhões de ‘santinhos’
Ainda de acordo o site do TSE, além dos R$ 390 mil do fundo especial, Norma Lima recebeu mais de R$ 20 mil provenientes de doações, totalizando exatos R$ 411.250,00. A maior parte desse dinheiro foi gasto com publicidade, onde consta declarado R$ 244 mil, incluindo a produção de 3 milhões de “santinhos”. Serviços de terceiros representaram R$ 65 mil de despesa, aluguel de veículos perfez R$ 16 mil e combustível chegou a R$ 8 mil. Porém, Norma disse que usou poucas vezes carro na campanha.
Candidata Norma Lima, segundo o TSE, gastou R$ 240 mil em propaganda eleitoral, como a impressão de ‘santinhos’.
Reprodução/G1 PA
“Era a pé e tinha uma kombi para levar a gente. Tinha vezes que a gente ia para outros bairros, e aí a gente ia de carro”, lembrou. Em seguida, completou. “Tive santinhos, bandeira, comitê e adesivo de carro. Tive tudo. Do bom e do melhor. Infelizmente eu não ganhei. Também tinha muitos candidatos, parece que mais de 600 candidatos”.
Quando questionada sobre assessoria jurídica e contábil para o período eleitoral, já que consta a despesa de R$ 60 mil em sua prestação de contas, a candidata relatou que usufruiu do serviço. “Tivemos apoio de contador, tudo nós tivemos… Tem um advogado também. Nosso partido é bom, graças a Deus. Tinham 20 pessoas trabalhando comigo. Tinha todos os dias café da manhã, água, lanche, tinha carro para me locomover. Me deram tudo isso”, contou.
Gastos de Norma Suely durante as Eleições em 2018, segundo o site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)
TSE
“Se configurar ‘laranja’, tem que investigar”
Líder do PSD na Assembleia Legislativa do Pará (ALEPA), o deputado estadual Gustavo Sefer disse que não conhece a candidata, mas reitera a necessidade de apuração. “Eu não a conheço. Não conheço a candidata pessoalmente. A minha opinião, como líder do partido, se teve alguma coisa de errado, se realmente configurar o papel de laranja, tem que ser investigado e os responsáveis devem responder”, afirmou.
O PSD também informou que a divisão dos recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) obedeceu às orientações previamente estabelecidas pela direção partidário nacional. O partida ainda declarou que cumpriu a resolução que dispõe sobre aplicação mínima de 30% do total de recursos recebidos do FEFC para custeio de campanha eleitoral de candidatas do partido ou coligação.