Dono de avião que caiu em Belém diz que vai ajudar vítimas e que já foi intimado a depor à Polícia

12

O empresário Alex Sampaio da Silva falou que vai depositar dinheiro na conta das famílias atingidas pelo acidente. Já o piloto do avião continua em hospital e ainda será ouvido. queda monomotor avião aeronave bengui belém
Reprodução/ TV Liberal
Alex Sampaio da Silva é o proprietário do avião monomotor que caiu no bairro do Benguí, em Belém, e atingiu três casas. Até então, não havia sido divulgado quem era o dono da aeronave.
O empresário é dono de uma empresa de beleza, com sede em São Paulo, e disse por telefone, com exclusividade no JL2, que vai ajudar as famílias que perderam as casas no acidente. “Vou depositar dinheiro na conta das vítimas”, afirmou. Alex disse ainda que já foi intimado pela Polícia do Pará e deve prestar depoimentos.
A aeronave de pequeno porte caiu no dia 13 de janeiro na rua Ferreira Filho, próximo a um residencial em construção. O copiloto, Lucas Ernesto Santos e Santos, 24, morreu e o piloto Bruno Alencar Wachekowski teve traumatismo craniano e foi internado em estado grave de saúde.
Investigações
A Polícia não divulga muitos detalhes sobre o andamento das investigações, apenas que dez pessoas já foram ouvidas.
O piloto do avião, Bruno Alencar, ainda não prestou depoimento, pois continua internado no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua, na região metropolitana de Belém. O estado de saúde dele jpa é considerado estável.
Segundo site da Agência Nacional de Aviação, Bruno não tinha autorização para pilotar, já que a licença dele estava vencida desde agosto de 2017.
De acordo com a Polícia Federal, o piloto já foi preso por furto de aeronaves no estado Mato Grosso e foi detido em 2016 após furtar um avião que pertencia a uma emissora de TV.
Piloto de avião que caiu em Belém já havia sido preso.
Reprodução/Tv Liberal
A Defesa Civil constatou que não houve abalos estruturais significativo nos imóveis. No entanto, moradores reclamam que até agora não foi dado nenhum parecer sobre indenizações.
Uma empresa particular foi contratada para fazer a retirada do monomotor do local do acidente. O avião será desmontado e levado para o Aeroclube de Belém.
O laudo final da perícia deve ser divulgado em 8 meses. De acordo com a Aeronáutica, o prefixo que consta na aeronave pode não ser o mesmo que consta na placa de identificação, por isso ainda não foi confirmada a origem do monomotor.
Em nota, a coordenadora da Defesa Civil Municipal afirmou que as famílias atingidas terão acesso aos programas assistenciais sociais tanto do município, quanto do Governo do Estado, e assim poderão fazer os reparos que serão necessários nas casas.