Após críticas de ministro, Rússia adia inspeção de abatedouros brasileiros

15

Chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, criticou apoio russo ao governo do presidente venezuelano Nicolás Maduro. Russia vinha retomando compra de carne brasileira após embargo de 1 ano. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que criticou apoio da Rússia ao governo de Nicolás Maduro
Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
A Rússia adiou, por prazo indeterminado, o envio de uma comissão de veterinários para inspecionar abatedouros brasileiros interessados em exportar carne bovina e suína para o país europeu.
O país voltou a comprar carne brasileira no fim do ano passado após 1 ano de embargo motivado pela presença de um aditivo chamado ractopamina nos rebanhos (leia mais abaixo). O envio dos veterinários poderia ampliar as exportações.
A decisão russa pode ter sido motivada por um mal-estar político entre os países. Na sexta-feira (12), reportagem da revista “Época” afirmou que o Ministério da Agricultura foi informado de possíveis retaliações às exportações brasileiras.
Essas medidas seriam uma resposta a declarações do ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo. No fim de março, ele criticou o apoio da Rússia ao governo de Nicolás Maduro na Venezuela.
Em nota conjunta, os ministérios de Relações Exteriores e da Agricultura afirmam que “tomaram nota do adiamento”, e que a Rússia alegou “necessidade de contar com informações técnicas adicionais”. Esse pedido não foi detalhado pelos ministérios.
“Em nenhum momento, autoridades russas atribuíram a suspensão da missão a questões relacionadas à política externa brasileira”, afirma a nota. O Secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, José Guilherme Leal, viajará à Rússia prestar os esclarecimentos pedidos.
Um ano de embargo
O embargo russo às importações de carne de boi e porco afetou 48 frigoríficos brasileiros, incluindo algumas das maiores empresas do setor. O centro da polêmica foi a rictopamina, aditivo que altera o metabolismo dos animais e diminui a gordura nos cortes de carne.
No Brasil, a rictopamina é permitida na criação suína e proibida nos bovinos. Na Rússia, é proibida na ração dos dois tipos de rebanho. No comunicado sobre o embargo, o governo russo disse que o aditivo foi identificado em amostras analisadas.
As restrições começaram a ser retiradas em novembro de 2018 e, em três meses, nove abatedouros foram recertificados. Entre janeiro e março, segundo o site do Ministério da Economia, o Brasil exportou cerca de US$ 85 milhões em carne bovina e suína à Rússia.
Nos 11 primeiros meses de 2017, antes de o embargo entrar em vigor, o volume exportado desses produtos foi de US$ 1,138 bilhão – cerca de US$ 100 milhões mensais.