Líder do governo anuncia acordo para adiar votação da Previdência para próxima semana

11

Votação estava marcada esta quarta (17), mas ficou para a próxima segunda (22) ou para terça (23), segundo Vitor Hugo (PSL-GO). Adiamento foi causado por inversão da pauta da CCJ. O líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO)
Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
O líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), informou nesta segunda-feira (15) que a votação da proposta de reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ficou para a próxima semana.
Major Vitor Hugo deu a declaração após participar de uma reunião com os líderes partidários. Inicialmente, a votação estava marcada para esta quarta (17), mas, segundo o líder do governo, ficou para a próxima segunda-feira (22) ou para terça (23).
“Hoje [15] vai encerrar a discussão e vamos votar a PEC do orçamento impositivo. Amanhã [16], vamos retomar às 10h, sem obstrução, para discutir a reforma da Previdência. Vamos fazer [a reunião] de 10h às 22h. Às 22h, a gente encerra, retoma na quarta-feira [17], para continuar a discussão. Na segunda-feira [22], retoma e aí segunda-feira ou terça-feira [23] a gente vai discutir para ver o melhor momento para votar”, anunciou o líder do governo.
“Na segunda-feira ou na terça-feira [da próxima semana], após todos os debatedores terem feito o uso da palavra, nós vamos realizar a votação da admissibilidade”, acrescentou.
Mais cedo, nesta segunda-feira, a Comissão de Constituição e Justiça decidiu inverter a pauta e analisar a proposta de emenda à Constituição que aumenta os gastos do governo, a chamada PEC do orçamento, antes da reforma da Previdência.
A reforma era o primeiro item da pauta, mas os partidos do “Centrão” e da oposição articularam o adiamento do debate.
Embora o governo tenha tentado antecipar a votação da Previdência para esta terça (16), até o PSL, do presidente Jair Bolsonaro, votou a favor da inversão da pauta.