Primeira edição do Rio Montreux Jazz Festival chega à cidade em junho

26

Versão carioca do tradicional evento trará nomes como Steve Vai, Al Di Meola, Stanley Clark, Maria Rita, Yamandú Costa, Hamilton de Holanda, Roberto Frejat e Andreas Kisser. O diretor artístico do evento, Marco Mazzola, entre os organizadores Cláudio Romano e Gaetano Lops na apresentação do festival.
Carlos Brito
A vista do bucólico Lago Léman – também conhecido como Lago Genève –, na Suíça, é tão característica da pequena cidade de Montreux quanto o festival musical que leva seu nome desde 1967. No próximo mês de junho, no entanto, a mesma música vai atravessar o Oceano Atlântico em direção ao Rio de Janeiro, na primeira edição carioca do Montreux Jazz Festival.
O Rio Montreux Jazz Festival vai ocupar, entre os dias 6 e 9 de junho, três palcos montados nos armazéns 2 e 3 do Pier Mauá, Zona Portuária da cidade. E apesar de trazer “Jazz” no nome, da mesma forma como sua matriz suíça, a versão carioca vai trazer uma grande variedade de estilos – basta olhar as atrações.
Um dos maiores guitarristas do mundo, Steve Vai irá se apresentar no dia 6 de junho, dia de seu aniversário.
Divulgação
Já estão confirmados shows de Al Di Meola, um dos principais nomes da guitarra Jazz no mundo, do baixista Stanley Clarke e do guitar hero Steve Vai – que vai se apresentar na noite 6 de junho, data de seu aniversário.
Reconhecido como um dos melhores guitarristas de jazz da história, Al Di Meola estará no evento.
Divulgação
Entre as atrações brasileiras, estarão a cantora Maria Rita – ela fará uma apresentação em memória pelos 25 anos da morte de Tom Jobim –, o violonista Yamandú Costa, Roberto Frejat, o bandolinista Hamilton de Holanda acompanhado pelo percussionista Paulinho Costa, Hermeto Pascoal, o guitarrista do Sepultura Andreas Kisser, em um show de heavy metal em formato acústico, entre outras atrações – veja a programação no fim do texto.
Maria Rita fará uma homenagem a Tom Jobim.
Alexandre Durão/G1
Os espaços no Píer Mauá foram batizados com nomes de três dos principais artistas da Música Popular Brasileira – Ary Barroso, Tom Jobim e Villa-Lobos. O local terá capacidade para receber até seis mil pessoas por dia e também haverá áreas de convivência com bares e food trucks.
Guitarrista do Sepultura, Andreas Kisser fará uma apresentação acústica de Heavy Metal.
Rafael Mendes
Além disso, outros cinco palcos serão montados em locais espalhados pela capital fluminense – estes, com atrações musicais gratuitas.
“A realização deste festival é o reconhecimento da importância do Rio de Janeiro e do Brasil para o cenário da cultura mundial. Teremos os grandes nomes da música brasileira e internacional, junto com grandes promessas e novas descobertas”, afirmou um dos organizadores do evento, Gaetano Lops, durante a apresentação do festival, realizada na manhã desta terça-feira (16), no Museu de Arte do Rio, Praça Mauá.
Na canção do Deep Purple
Um dos produtores musicais mais representativos da música brasileira, Marcos Mazzola – responsável pela assinatura musical de alguns dos principais trabalhos de nomes como Milton Nascimento, Elis Regina, Raul Seixas e Ney Matogrosso – é o diretor artístico do festival.
Responsável pela noite brasileira do evento suíço em 1978, ele explicou qual foi o critério para a definição das atrações.
“Claro, queríamos artistas relevantes, mas que também estivessem dispostas a fazerem shows únicos. O que o público verá no Rio Montreux jazz Festival serão shows especiais, pensados com exclusividade para o evento e nada iguais aos que os músicos fazem em suas turnês próprias. Foi necessário um grande trabalho de convencimento para fazê-los entender e acolher essa proposta. Temos que entregar algo especial, diferente, como o evento exige. Afinal, Montreux é tão importante que uma parte da história deste festival está registrada em um dos maiores Rocks da história”.
Mazzola faz referência à “Smoke on the water”, clássico do Deep Purple. Na canção, a banda descreve o dia em que a edição de 1971 do evento precisou ser interrompida depois que um incêndio – provocado por um homem que disparou uma pistola sinalizadora – destruiu o cassino onde o festival era realizado.
Ao longo dos anos, Montreux recebeu alguns dos maiores nomes da história do Jazz e de outros gêneros da música, sobretudo a partir das décadas de 1970 e 1980, quando o festival se tornou bem mais eclético.
Já pisaram no palco suíço artistas como Miles Davis, Nina Simone, James Brown, Ella Fitzgerald, The Weather Report, George Clinton and Parliament-Funkadelic, Wynton Marsalis, Stevie Ray Vaughan, Wayne Shorter, Elvis Costello, Marvin Gaye, Rory Gallagher, Leonard Cohen, Eric Clapton, Queen, Joe Cocker e Van Morrison.
O bandolinista Hamilton de Holanda se apresentou ao lado da Orquestra de Câmara da Rocinha durante a apresentação do evento – ambos são atrações do festival.
Carlos Brito
“Montreux tem 25 mil habitantes. Há muito tempo queríamos trazer toda a energia que sentimos lá, durante o festival, para o Rio de Janeiro, um lugar muito maior. Conhecemos bem essa vocação que a cidade tem para grandes eventos e sabemos do impacto que atrações como esta podem gerar na economia local”, finalizou outro responsável pelo evento, Cláudio Romano.
Serviço:
Rio Montreux Jazz Festival
Datas: de 6 a 9 de junho.
Locais: armazéns 2 e 3 do Píer Mauá – Zona Portuária do Rio – e mais cinco palcos espalhados pela cidade.
Preços de ingressos e informações adicionais: https://riomontreuxjazzfestival.uhuu.com/
Palcos:
Pier Mauá
Palco Tom Jobim – capacidade de 780 pessoas sentadas (Armazém 2).
Palco Villa-Lobos – capacidade de 3.500 pessoas em pé (Armazém 3)
Palco Ary Barroso – localizado na varanda do Pier
Demais regiões – Palcos gratuitos
Palco Pixinguinha – localizado no Parque Madureira
Palcos Montreux Urbano – em quatro diferentes pontos da cidade – ainda a serem definidos.
Programação:
6 de junho – quinta-feira
Palco ARY BARROSO
18h30 – Amaro Freitas
21h – Diego Figueiredo
Palco TOM JOBIM
19h30 – Quarteto Jobim convida Maria Rita – “Chega de saudade: 25 anos sem Tom Jobim”
22h – Al Di Meola Acoustic Trio
Palco VILLA-LOBOS
23h30 – Steve Vai
Palco PIXINGUINHA (Horários a confirmar)
Atração a confirmar
Marcelo Caldi convida Gabriel Grossi – Homenagem a Luiz Gonzaga
7 de junho – sexta-feira
Palco ARY BARROSO
18h30 – Choro na Rua
21h – Pedro Martins Trio
Palco TOM JOBIM
19h30 – Yamandu Costa. Participação especial: Camerata Jovem do Rio de Janeiro
22h – The Stanley Clarke Band
Palco VILLA-LOBOS
23h30 – Frejat convida Pitty e Zeca Baleiro
Palco PIXINGUINHA (Horários a confirmar)
Atração a confirmar
Bianca Gismonti Trio convida Frank Colón – Homenagem a Egberto Gismonti
8 de junho – sábado
Palco ARY BARROSO
18h30 – Ricardo Herz Trio
21h – Andreas Kisser and guests: “Instrumental Acoustic Metal”
Palco TOM JOBIM
19h30 – Hamilton de Holanda convida Paulinho Costa
22h – Hermeto Pascoal
Palco VILLA-LOBOS
23h30 – Atração Internacional a confirmar
Palco PIXINGUINHA (Horários a confirmar)
Atração a confirmar
André Vasconcellos Quinteto
9 de junho – domingo
Palco ARY BARROSO
18h30 – Allyrio de Mello
21h – A Guitarra e o Tambor
Palco TOM JOBIM
19h30 – Carlos Malta e Pife Muderno
22h – John Scofield Combo 66
Palco VILLA-LOBOS
23h30 – Brasil Cuba: Ivan Lins, Chucho Valdés e Irakere
Palco PIXINGUINHA (Horários a confirmar)
Atração a confirmar
Dani Spielmann e orquestra Gafieirando convidam Bebê Kramer – Homenagem a Paulo Moura